Fundações superficiais – saiba como aplicar em sua obra

tipo de estaca
Fundações profundas: saiba qual tipo de estaca utilizar
13 de setembro de 2019
construtoras
Trabalho da União Fundações conquista a confiança das construtoras
4 de novembro de 2019

Fundações superficiais – saiba como aplicar em sua obra

fundações superficiais

fundações superficiais

São vários os fatores que influenciam na escolha de um tipo de fundação. A natureza e as características do solo no local onde será realizada a obra, é um dos determinantes. Mas existem outras variáveis a serem levadas em conta na hora de escolher a fundação de uma obra. Fundações superficiais ou profundas? É importante lembrar que características do solo, tais como a sua resistência à compressão, são determinadas pelos ensaios de sondagem do solo. Isso é realizado por meio da interpretação da análise dos resultados.

Por isso, na hora de escolher qual o tipo de fundação adequado ao seu empreendimento, tenha em mente a disposição, grandeza e natureza das cargas a serem transferidas ao terreno. Neste blog, vamos tratar sobre fundações superficiais ou rasas, como também são conhecidas. 

Devido ao fato de estarem apoiadas a pequenas profundidades em relação ao nível do solo, as fundações superficiais requerem pouca escavação. Exigem  consumo moderado de concreto para execução das peças, o que as certificam como excelentes opções do ponto de vista econômico.

Apesar de aparentarem simplicidade na execução, os cuidados para projetar e executar esses elementos não devem ser negligenciados. O fato de usarem as camadas superficiais do subsolo para transferir as cargas da construção tornam as fundações rasas mais suscetíveis a mudanças na composição do solo. Além do baixo custo, outra vantagem das fundações superficiais é o fato de não provocarem vibrações em seu processo executivo.

No entanto, as desvantagens são inevitáveis e no caso das fundações superficiais o fato é que exigem um alto consumo de mão-de-obra, por serem uma solução artesanal. Assim como apresentam certa limitação para cargas muito altas e por exprimem dificuldades nas escavações junto às divisas.

As fundações superficiais são elementos em que a carga é transmitida ao terreno pelas pressões distribuídas sob a base da fundação. A profundidade de assentamento em relação ao terreno adjacente é inferior a duas vezes a menor dimensão da fundação. Incluem-se neste tipo de fundação as sapatas, os blocos, os radier, as sapatas associadas, as vigas de fundação e as sapatas corridas.

O radier é um elemento de fundação que transmite a carga ao terreno pela base (resistência de ponta), por sua superfície lateral (resistência de fuste) ou por uma combinação das duas. Está assente em profundidade superior ao dobro de sua menor dimensão em planta, e no mínimo 3 m, salvo justificativa. Neste tipo de fundação superficial incluem-se as estacas, os tubulões e os caixões.

Execução das fundações superficiais 

Para se obter o tipo de solo a qual se deseja executar uma fundação, é de suma importância a análise de solo através do ensaio SPT (Standard Penetration Test). Da mesma forma, é necessário fazer uma análise de qual será o tipo de fundação a ser utilizada. Essa coleta de amostras das camadas permite também a verificação do nível do lençol freático e estabelece a compacidade ou consistência dos solos arenosos ou argilosos, apresentando também eventuais linhas de rupturas que possam ocorrer em subsuperficie.

As fundações do tipo rasa são executadas quando a resistência de embasamento pode ser obtida no solo superficial numa profundidade que pode variar de 1,0 a 3,0 metros. Nesse sentido, pode-se executar alicerces ou sistemas de sapatas interligadas por vigamentos, levando em conta os seguintes cuidados na execução:

Na fundação superficial se deve executar o escoramento adequado na escavação das valas com profundidades maiores que 1,5 m, quando o solo for instável;

Consolidar o fundo da vala, com a regularização e compactação do material;

Executar o lastro de concreto magro, para melhor distribuir as cargas quando se tratar de alicerces de alvenaria de tijolos ou pedras, ou proteger o concreto estrutural, quando se tratar de sapatas;

Determinar um sistema de drenagem para viabilizar a execução, quando houver necessidade;

Utilizar sistema de ponteiras drenantes (Well Points), dispostas na periferia da escavação com espaçamento de 1,0 a 3,0m, interligadas por meio de tubo coletor a um conjunto de bombas centrífugas.  A fim de que essas realizem o rebaixamento do lençol freático em solos saturados e arenosos;

Determinar um processo de impermeabilização da alvenaria acima do solo, para não permitir a permeabilidade da umidade por capilaridade. As fundações de uma obra devem alcançar uma camada de solo com resistência média.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *