Conheça o Yachthouse, o residencial mais alto da América Latina com fundação feita por nós

Curiosidades sobre as obras da Copa do Mundo de 2022, no Catar
4 de dezembro de 2020
Confiança da construção civil alcança o maior patamar desde 2014
4 de janeiro de 2021

Conheça o Yachthouse, o residencial mais alto da América Latina com fundação feita por nós

Balneário Camboriú se destaca pelos empreendimentos de luxo e alturas cada vez mais impressionantes. A União Fundações fez a fundação de cinco dos 10 edifícios mais altos do Brasil, sendo responsável pelo trabalho do primeiro e segundo lugar em altura. Hoje vamos apresentar um deles, o Yachthouse Residence Club. Quando estiver pronto, será o edifício residencial mais alto da América Latina, com 240 metros de altura.

Não é à toa que Balneário Camboriú é conhecida como a “Dubai Brasileira”. Famosa por seus empreendimentos de luxo, que batem recordes de altura a todo momento, a cidade dos Emirados Árabes Unidos virou inspiração para o município catarinense. Cada vez mais Balneário Camboriú está recebendo novos projetos que fogem do comum e superam edifícios não só no Brasil, mas também empreendimentos internacionais.

Um deles é o Yachthouse Residence Club, que está sendo erguido e, como falamos anteriormente, será o residencial mais alto da América Latina. Ele terá duas torres gêmeas com 81 andares, 281 metros de altura e 264 apartamentos que, juntas possuem uma área construída de 142 mil m². Ele ficará localizado junto à Marina Tedesco, o que faz com que os moradores possam ter uma bela vista para o mar e para a Mata Atlântica. Ele recebe a assinatura de design do famoso estúdio italiano Pininfarina, o mesmo de marcas como Ferrari, Maserati e Rolls Royce, com inspiração na vida náutica.

A fundação do projeto foi escolhida para ser trabalhada com o uso intensivo de concreto. Isto porque as dimensões do edifício residencial exigiam algo bastante fortificado. Ao todo foram aplicados cerca de 100 mil m³ do material, o que corresponde a 12.500 viagens de caminhões-betoneira. As várias fases de concretagem das torres consumiram 59 tipos de concreto.

Além disso, a execução da fundação escolhida foi de um radier estaqueado. Ou seja, um bloco de fundação de grandes dimensões apoiado sobre um berço formado por estacas tipo hélice contínua. Também foi necessário conseguir controlar a temperatura durante o processo, o que exige bastante cuidado e profissionais qualificados, já que a concretagem de um grande volume de concreto pode chegar até 50 MPA. Ao todo, foram utilizados cerca de 100 kg de gelo por m³ de concreto para resfriar a massa de concreto do radier, segundo informações da Pasqualotto & GT, responsável pelo empreendimento e veiculado pela AECweb.

Para a superestrutura, composta pelas duas torres gêmeas, foi utilizado concreto protendido elaborado a partir de estudos detalhados de dosagem. Além disso, para que se pudesse utilizar a concretagem em uma altitude tão elevada, utilizou-se uma bomba de alta pressão e tubulações especiais com dois mastros de distribuição.

Contraventamento Crítico e outros destaques Yachthouse

Um dos grandes destaques da construção do Yachthouse Residence Club, evidentemente, é a sua altura. E para que ele pudesse ser construído tão alto, diversas técnicas foram aplicadas para a plena execução do projeto. Um exemplo disto são os deslocamentos laterais provocados pela ação dos ventos, que necessitam um tratamento especial para proteger a estrutura e evitar acidentes e possíveis prejuízos no futuro. Para controlar a estabilidade do edifício é possível utilizar dispositivos para absorver os efeitos dinâmicos, formados por uma treliça horizontal, por uma parede cortante ou por uma viga de grande altura.

No caso do Yachthouse cada torre recebeu dois pavimentos com lajes reforçadas localizadas nos pavimentos 30 e 53 de cada um dos prédios. E, para o preenchimento destas lajes reforçadas, utilizou-se concretos fluidos e autoadensáveis. Desse modo todos os espaços entre as armaduras foram preenchidos, garantido altíssima concentração de ferragens.

Para as fachadas de vidro foi instalada uma central de montagem dentro do canteiro. Conforme a reportagem da AECweb o engenheiro Davi Rotilli, da Pasqualotto & GT explicou que “Essa opção não é comum na construção civil brasileira, mas se fez necessária devido à complexidade do sistema”. Nesta central, optou-se por utilizar o vidro e o alumínio composto (ACM), já cortados e usinados. Eles passam por uma linha de produção que abrange a montagem dos painéis, colagem dos vidros e fixação do ACM. Desse modo, foram utilizados ao todo mais de 32 mil m² de vidro e 830 toneladas de alumínio. “Uma vez prontos, os painéis com 3,24 m de altura são acoplados à estrutura do prédio através de ancoragens previamente fixadas”, explicou Rotilli. Antes de iniciar a execução deste serviço foi construído um protótipo submetido a um simulador de pressão de vento e água, assim foi possível atestar o desempenho do sistema de fachadas sem problemas.

Como destacamos, edifícios extremamente altos requerem cuidados especiais. Um ponto crítico é a circulação vertical. Para resolver este problema, o empreendimento Yachthouse receberá 22 elevadores, sendo dez deles destinados para atendimento direto dos apartamentos, com capacidade para até 14 pessoas, com um deslocamento de seis metros por segundo ao longo dos 240 metros do edifício residencial. Outros elevadores serão instalados para uso exclusivo dos usuários do heliponto, para acessar as garagens da marina e para servir a boate e o restaurante.

O engenheiro Davi Rotilli afirma que a casa de máquinas conta com uma monovia (espécie de guincho) utilizada para o içamento dos motores que são muito pesados. “Este mesmo equipamento possibilitará manutenções e possíveis reparos futuros, com toda segurança necessária”. O Yachthouse Residence Club foi iniciado no final de 2012 e está em fase de acabamento, com 98% da estrutura concluída, em março de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *