Como escolher o tipo de fundação da obra

Tipos de sondagem de solo: qual a melhor para sua obra?
Tipos de sondagem de solo: qual a melhor para sua obra?
22 de fevereiro de 2022
Entenda o que são fundações profundas e saiba quando usar
Entenda o que são fundações profundas e saiba quando usar
12 de abril de 2022

Como escolher o tipo de fundação da obra

Como escolher o tipo de fundação da obra

Como escolher o tipo de fundação da obra

A escolha do tipo de fundação é um dos passos mais importantes para a obra. Ela determinará o modo como a construção deverá ser executada e as tecnologias necessárias para este trabalho.

Esta decisão não é tão simples quanto pode parecer, pois depende de diversos fatores importantes que avaliam o terreno e a obra. 

Basicamente, existem dois tipos de fundações e cada modelo possui tecnologias e ferramentas diferentes para a execução.

Fundações superficiais – Este tipo de fundação se caracteriza por transmitir a carga ao solo através da distribuição das pressões sob sua base, mas nunca por atrito lateral como nas profundas. 

No geral, ela é vantajosa para terrenos cuja área ocupada pela fundação chegue a abranger no máximo 50% da área disponível.

Além disso, as fundações superficiais devem ser determinadas para profundidades inferiores a 3 metros.

Fundações profundas – Este tipo de fundação transmite a carga ao terreno pela base (resistência de ponta) ou por sua superfície lateral (resistência de fuste). 

Também é possível que ocorra uma combinação dos dois modelos, fazendo com que a ponta ou base estar assente em profundidade superior a 8 vezes a sua menor dimensão em planta e no mínimo três metros. Neste tipo de fundação incluem-se as estacas e os tubulões.

Também é importante considerar que muitas condições e parâmetros de resistência são impostos pela natureza do solo e isso também pode interferir na escolha da fundação.

Elementos importantes como a natureza e características do subsolo no local da obra são impactantes para a obra. 

Além disso, existem outros pontos a se considerar, como grandeza das cargas a serem transmitidas à fundação e proximidade dos edifícios limítrofes bem como seu tipo de fundação e estado.

Para fazer essa escolha, existem diversos critérios técnicos que os profissionais devem seguir. Além disso, também é importante considerar o aspecto econômico para a obra. 

Para isso, um estudo preliminar deve ser feito, estimando a ordem de grandeza das cargas de fundação pelo porte da obra.

 

Passos fundamentais para escolher o tipo de fundação da obra

 

Em primeiro lugar, para fazer a escolha do tipo de fundação da obra é necessário realizar um planejamento. Esse estudo inicial deve ser minucioso, pois ele determinará diversos pontos fundamentais para o projeto.

Nesse sentido, também será importante avaliar questões de ordem técnica e realizar o dimensionamento da fundação. Por isso é fundamental sempre trabalhar com profissionais capacitados, que podem fazer a orientação correta na escolha e execução das suas fundações.

Após a elaboração do relatório de investigação geotécnica (em alguns casos também é necessário executar sondagens de solo com maior precisão) é necessário examinar o tipo de solo onde será executada a obra. 

Desse modo é possível averiguar a posição do nível de água e o índice de resistência à penetração do solo ao longo das camadas de solo.

Geralmente o tipo de fundação é escolhido pelo processo de eliminação. Após o dimensionamento ser realizado, deve-se iniciar a possibilidade de executar fundações superficiais. Para este tipo de fundação, é necessário ter um solo razoável com um índice de resistência à penetração SPT acima de 10 golpes.

Ou seja, o ideal é descartar rapidamente a fundação superficial no caso de o índice de resistência à penetração do solo ser inferior a 10 ao longo dos 3 primeiros metros de profundidade.

Vale destacar que caso o solo seja apropriado para este tipo de fundação, você precisa ficar atento à somatória total das áreas dos elementos de sapatas. 

Assim, esse modelo somente se tornará vantajoso se a área ocupada for inferior a 50% da área disponível.

Após essa conferência, é preciso verificar se existe a possibilidade do uso das estacas e tubulões. 

Um dos primeiros passos é checar a posição do nível de água e, se for o caso, deverão ser descartadas as tecnologias que não podem executar fundações abaixo do lençol freático.

Depois é necessário fazer o dimensionamento da capacidade de carga das estacas e escolher o melhor tipo de estaca, considerando agilidade, eficiência e economia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Falar no WhatsApp
Precisa de ajuda?